quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O trabalho mais estranho que já tive

Nos anos que levo desta profissão, tenho centenas de estórias para contar. Umas hilariantes, outras deprimentes, e outras ainda absolutamente sinistras, como por exemplo esta que vos resolvo contar hoje.

Numa tarde de verão em 2008, o meu agente ligou-me a dizer que tinha um trabalho para mim, mas que era um trabalho muito específico, e que por isso, teria que reunir-me previamente com o cliente para discutir os detalhes do "trabalho".
Perguntei ao meu agente se o cliente era de confiança, ao que ele prontamente respondeu que sim " é um vice-presidente de uma camara municipal, por isso podes estar descansada".

Reuni-me com o tal cliente dois dias depois, num local indicado por ele, um restaurante.
Quando cheguei ao restaurante, deviam ser umas 5 da tarde, hora que ficou definida para nos encontrarmos.

Quando entrei, deparei-me com um restaurante totalmente vazio, tinha apenas uma mesa e duas cadeiras. Estava em obras de remodelaçao, viria eu a saber mais tarde.
Ao longe, lá estava o cliente, de cigarro na mão.
Aproximei-me. Ele, um tipo baixo, com barriga apesar de não ser propriamente gordo, com uma barbicha e óculos de massa. Devia ter pelo menos 60 anos.
Pensei de imediato, "foda-se, o meu agente sabe perfeitamente que não faço este tipo de clientes!"
"Viva, sente-se", disse ele, visivelmente nervoso, enquanto puxava uma das cadeiras da mesa para que eu me sentásse.

Começou a falar comigo e a explicar aquilo que queria. Disse-me que não queria fazer sexo comigo. Que queria ver-me a fazer sexo com outro homem.
Perguntei-lhe então, qual era esse outro homem, se ele mo ia indicar.
Ele respondeu-me "é o meu filho".
Quando ele me disse aquilo, fiquei petrificada. Por que raio quereria o homem ver o filho a fazer sexo com uma gaja?! Achei doentio.
Não me segurei e respondi "bom, isso é um bocado estranho, qual é o objectivo?".
Respondeu-me que era um homem rico, com a vida perfeitamente construída, mas que achava que o filho era homossexual, e esse era o seu maior desgosto. Para desfazer as dúvidas, queria contratar-me para ver se o filho me "comia". Se o filho me "comesse", era sinal que não era gay, e portanto, estaria habilitado a ser um bom herdeiro.

Então, o plano era eu aproximar-me do filho (fazendo de conta que era a nova empregada doméstica de casa dele), e conseguir fazer com que ele, logo na 1a noite, tivesse sexo comigo. O acto seria visto pelo Pai, que estaria por tras de um espelho falso do quarto a ver a cena toda.
Quando conseguisse levar o filho dele para o quarto, teria que dar um toque para o telemóvel dele, era esse o sinal.
Disse-lhe que era algo dificil de entender. Ele disse-me que me pagava 2500 euros pelo trabalho.
Disse-me ainda que se o filho não me fizesse na 1a noite, que eu me podia vir embora, e que me pagava 500euros.
Não havia risco. Era dinheiro fácil. Aceitei de imediato.

Cheguei a casa dele uns dias depois, tal como tinhamos combinado, e apresentei-me como a nova empregada. Cheguei as 5 da tarde, e o filho ainda nao estava em casa.
Chegou uma hora depois. Comecei de imediato o jogo de sedução. Ás 8 da noite, ele já estava a convidar-me para ir para o quarto. Assim fiz. Antes disso, dei um toq ao pai dele, como combinado.
Chegamos lá, ele atirou-me para cima da cama, começou a tirar-me violentamente a roupa enquanto me chamava "sopeirinha". Ele estava louco, parecia um touro. Pensei eu "este de panilas não tem nada!".
Fez-me de tudo, lambeu-me as mamas, fez-me um minete de 10 minutos, pediu que eu o mamásse.
Depois, comeu-me em 4 ou 5 posições. Foi excelente! De tal forma, que durante o acto, nem sequer me lembrei que o pai dele estava a ver tudo. Grande foda. Vim-me duas vezes. Coisa que raramente me acontece com clientes. Sinceramente, depois de ele se vir para cima de mim, até estava com vontade de repetir, de ficar ali a foder a noite inteira. Mas tive que ser profissional. Virei-me para ele, pisquei-lhe o olho, e disse-lhe "demito-me!". Vesti-me, virei costas, e vim embora,

Quando estava a sair de casa dele, no fim do trabalhinho, vi o pai e o filho juntos a rirem-se e a abraçarem-se. Ainda hoje não percebi bem a situação. Fiquei com a ideia que foi uma coisa combinada pelos dois, só não sei com que objectivo.
Apesar de tudo, essa tara, rendeu-me 2500 euros, e com isso, acabei por não trabalhar no mês de Agosto. Tirei férias, e só voltaria à carga em Setembro.

Mia

O meu corpo

Não vou ser muito específica a falar do meu corpo, porque isso poderia revelar a minha identidade.
Mas quero falar-vos dos cuidados que tenho. E são muitos, imensos.

Desde:

- Manicure
- Pedicure
- Depilação
- Tratamentos de rosto ( A nossa pele  precisa de cuidados muito especiais para ficar sempre jovem   e bonita. A esfoliação é importantíssima, por exemplo. Os melhores cosméticos faciais são:  limpeza, tonificação, hidratação, e nutrição da pele).
- Massagens
- Sauna
- Banho Turco

Ginásio - Aulas de body combat, aulas de abdominais, spinning, pilates, localizadas, e alguma musculação.

Cabelo - Brushing, Coloração, Ondulação, Alisamento, todo o tipo de tratamentos da Kerastase.

Posso afiançar-vos de que tenho um corpo muito próximo do perfeito. Mas gasto mais de 4 horas por dia a tratar deles, e alguns milhares de euros por ano.
Tenho muito cuidado com a face, com a zona do pescoço (muito propícia a rugas), uso soutiens que ajudam a não deixar descair o peito. Faço muitos abdominais, corro. Quanto a cremes de corpo, uma hidratação básica diária é suficiente para manter a pele de todo o corpo hidratada e bonita.
Gasto muito tempo, coisa que nem todas se podem dar ao luxo de fazer. E à medida que o tempo passa o corpo vai ficando em "pior estado", e vai pedindo cada vez mais exercício. Isto porque os 18 anos já lá vão há uns anitos.
E as mulheres a partir dos 25 vão perdendo os seus melhores atributos físicos. Doi, mas é verdade.

Também por isso, a profissão que tenho, é temporalmente limitada. Mais ainda que um jogador de futebol. E quando passa o prazo de validade, não há muito a fazer.

Mia

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Preçário

Este blog destina-se a mostrar aquilo que faço, e a contar-vos as minhas histórias.
Não tenho a intenção de me promover, ou de me "vender" por aqui.
Aliás, a prova disso é que não assumo a minha identidade aqui.

No entanto, e como já recebi várias mensagens a perguntar-me quais os preços que verdadeiramente pratico, eu vou tentar esclarecer-vos.

Obviamente não há propriamente uma tabela.
Mas os preços variam em função do tempo do trabalho.

Normalmente, por um trabalho de 12 horas, costumo cobrar 1500 euros.
Por um fim de semana, 2500 euros.
Já fiz 3 ou 4 trabalhos de uma semana inteira (acompanhar em férias), e nesses casos, para além de viagem + hotel + refeicoes, cobro 5000 euros.

Depois, para os clientes habituais, tenho tempos diferentes. Por exemplo, posso estar só 3 horas com um cliente habitual, e normalmente cobro 500 euros (mas clientes habituais tenho muito poucos, e são só os que eu quero mesmo).

Ou seja, normalmente,  num mês razoável, o que ganho chega-me por exemplo para comprar um carro de gama média.

Na verdade, sou muito poupada, porque como vos disse antes, quero reformar-me desta actividade, e já falta pouco.

No próximo post, vou falar-vos do meu corpo.
E não tarda vou continuar a contar-vos mais histórias com clientes.

Até já

Beijos

Mia

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Teste feito

Para já, estou limpinha. :-)

Passei a noite em stress. É o perigo de uma actividade como esta. E temos que estar preparadas.
Claro que o nível dos meus clientes é alto, e por isso, à partida é menos provável apanhar um cliente com SIDA, mas nunca se sabe.
Só duas vezes fiz sexo desprotegido, e foi com um cliente habitual que me trouxe as análises que mostravam que estava limpo. Mas não gostei. Pode parecer estúpido, mas senti-me quase violada. O preservativo acaba por criar uma certa distância. Não há um toque directo, sinto-me melhor com ele.

Sem preservativo, só mesmo com namorados.

Mas enfim, estou feliz!
E hoje começam os saldos. Estou com a agenda limpa, vou correr os shoppings todos!!!!!

Mia

Preservativo rompeu

Foda-se. É sempre a pior coisa que pode acontecer, e hoje aconteceu-me.
Amanhã, teste do HIV.

Dia estragado. Que ninguém me apareça à frente.
A única coisa positiva foi o cliente me ter oferecido mais 500 euros do que o combinado, para me "compensar".

Hoje estou fodida. vou dormir, e a primeira coisa que vou fazer amanhã, é o teste.
Adeus

Mia

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

O social


Tenho montes de amigas e amigos.
Tenho um facebook com uma enorme actividade, cheio de fotografias, cheio de amigos, comentários, etc.
Todas as semanas saio À noite com as minhas amigas. Ando pela baixa do Porto, pela Foz, Leça, enfim por todo o lado.
Adoro as minhas amigas, e elas adoram-me. Nenhuma sabe o meu segredo. Essa é a parte difícil. Não poder desabafar com as pessoas que mais gosto. Custa-me muito, mas tenho noção que toda a gente se afastava de mim se eu lhes contasse. Porque eu faria o mesmo se estivesse no lugar delas. É legítimo.
Obviamente que pelo estilo de vida que tenho (casa própria, boas roupas, um carro razoável), as pessoas assumem que a vida me corre bem, que o meu emprego como profissional liberal corre às mil maravilhas, e não desconfiam por um minuto que possa haver alguma coisa por detrás disto.
Não é difícil fazer este jogo e esconder tudo de todos. Já levo alguns anos disto, e faço as coisas de uma forma muito natural. No inicio tinha muito medo que me pudessem descobrir. Mas hoje em dia sou super tranquila, porque sei que mesmo que me vejam com alguém, nunca vão pensar que estou a ser paga. Vão pensar que é um affair.
Sim, porque nunca recebi um cliente em minha casa. Normalmente vou a casas privadas que todos eles têm. Apartamentos de luxo que têm para o efeito. Ou então hotéis (sempre de 5 estrelas), claro.
Isto tudo, para dizer que Sou uma rapariga/mulher perfeitamente normal, perfeitamente enquadrada na vida social, faço festas, organizo jantares, vou a todas, e dou-me bem com toda a gente. Conheço bem o verdadeiro porto. Que como se diz, é uma pequena aldeia.

Mia

Namorados


Estou solteira há uns meses a esta parte.
Mas já tive 3 namorados desde que me iniciei no mundo das acompanhantes.
Nunca nenhum deles soube que eu era acompanhante, e nunca nenhum sequer desconfiou.
Sempre soube fazer muito bem as coisas, de maneira a não dar nas vistas. Fui em todos os casos uma óptima namorada, sempre separei bem as coisas.
Entendo que não é difícil nem impossível ter um namorado sendo acompanhante de luxo. Eu nunca tive nenhum problema com isso.
Claro que minto, claro que omito, mas tudo se faz muito bem. Não tem nada a ver com ter um amante. Porque um amante exige telefonemas, mensagens, e-mails, etc. O meu trabalho não exige mais do que 5 minutos de conversa diária com o meu agente, e 1, 2 ou 3 escapadelas por semana.
É muito fácil dizer que vou a um seminário, a uma formação, a um congresso, a uma reunião com clientes, há centenas de desculpas. E são simples, porque essas “escapadelas” acontecem desde o 1º dia da relação, o que faz com que isso seja encarado como natural, sem qualquer espécie de desconfiança.
Um dos namorados que tive, chegou inclusivamente a viver comigo. Nunca houve qualquer problema. Claro que isso complica o mercado aqui no Porto, porque se torna quase impossível ir a eventos sociais. Essa é a única limitação de ter um namorado. Mas como a maior parte dos meus “trabalhos” que envolvam contactos sociais são feitos fora do Porto, não há grande problema.
No Porto, tenho os clientes habituais. E aí, normalmente só mete jantares românticos numa casa particular, e cama. São clientes que vêem em mim uma amante, mas sem as chatices que uma amante comporta. Eu não faço perguntas. Ouço, e satisfaço os meus clientes. Sou uma profissional.
E sou divinal naquilo que faço.
Neste momento, o meu coração está livre. Mas só volto a namorar quando abandonar este mundo. Planeio fazê-lo daqui a 2 anos. Nessa altura espero ter o dinheiro suficiente para me poder reformar e me dedicar em exclusivo ao escritório e à formação que tenho.

Cedo erguer

É importante acordar cedo.
Nunca fui pessoa de dormir muito. Todos os dias durmo 8 horas. Isso chega-me, até porque apesar de só dormir 8 horas por dia, passo bem mais horas na cama, como podem imaginar.
O meu dia-a-dia é muito básico: Um bom banho logo de manhã, seguido de toda a girlie stuff – cremes, óleos, vernizes, cuidados com o cabelo, e escolha da roupa do dia.
Depois, tomo um óptimo pequeno almoço enquanto espreito as notícias na televisão.
O resto da manhã é passado no meu escritório (sim, tenho um gabinete só meu, para tratar da minha profissão secundária. Não faço propriamente muita coisa, é mais fachada. Mas passo sempre algumas horas do dia por lá.
De tarde, tenho sempre uma reunião com o meu agente. Para esse efeito usamos o skype, e mesmo assim, tentamos não dizer as palavras todas. Só o essencial. Depois de eu aceitar os “trabalhos”, ele faz-me chegar uma carta, ao escritório, que me é entregue em mão por um estafeta.
Tenho sempre no mínimo 1 “trabalho” por semana. Mas há semanas em que tenho 3 ou mesmo 4 clientes. Tudo varia em função do que o trabalho envolve, e do sítio, claro.
Como vos disse anteriormente, posso ter trabalhos que envolvam jantares, uma saída à noite, uma reunião, um jantar de amigos, etc.
E o porto é uma cidade muito pequena. Por isso, o meu raio de acção é muito grande ( mas falarei disso num outro post).
De qualquer forma, eu tenho a sorte de ser uma mulher-camaleão. Dependendo da maneira como me arranjo, fico muito diferente, irreconhecível até.

Mia

domingo, 26 de dezembro de 2010

Prenda de Natal

Quem diria que eu seria a prenda de Natal de alguém :)

Ah pois é, o dever chama-me.
Vou trabalhar! Depois conto-vos.

Até já

Mia

sábado, 25 de dezembro de 2010

O meu primeiro trabalhinho

O meu primeiro trabalho como acompanhante de luxo foi em 2005, na cidade de Lisboa.
O meu agente ligou-me, disse que tinha o 1º trabalho para mim, e que era uma coisa muito simples. Um economista, tímido, mas muito bem educado. "Simple and easy"." É um dia, e ele paga 1000euros. Sexo incluído se ele quiser".
"O.K", disse eu, "vamos a isso". "estou preparada".

Chegado o dia, e conforme combinado com o meu agente, fui de comboio até à capital, e quando cheguei, fui recebida por um motorista que me levou até ao Estoril.
No Estoril, entrei num condomínio enorme, com um relvado que me fez lembrar um campo de futebol. Estava escuro, deviam ser umas 6 da tarde, uma tarde de Inverno, mas apesar disso, o aspecto do condomínio era sumptuoso. A 1ª impressão com que fiquei é que aquilo era o sítio para onde os gajos da Alta Sociedade levavam as amantes e as putas.

Entrei no apartamento com o motorista, que de uma forma simpática me indicou um quarto.
O quarto era enorme, uma suite, com uns 25 metros.
Quando lá cheguei, tinha um papel na secretária - uma carta escrita pelo meu cliente, uma espécie de manual de instruções - , um vestido preto lindíssimo em cima da cama e umas sandálias a condizer. Ao lado da carta, estava ainda uma caixa, com um colar e uns brincos(que valiam bem mais do que aquilo que ele me ia pagar).

Na carta, constava toda a informação que eu precisava de saber.
Em primeiro lugar, que me chamaria Rita, que era do Porto, e que era licenciada em gestão de marketing. Tudo o resto ficaria ao meu critério. Até para as coisas sairem naturalmente e não me apanharem a mentir.

Depois, dizia-me para tomar um bom banho, vestir a lingerie que estava na cadeira, o vestido preto, calçar as sandálias, e colocar o colar e os brincos.
Dizia ainda para usar o perfume que encontraria na casa de banho: Um Channel.

Por fim, dizia que a "missão" era acompanhá-lo num cocktail, numa acção de charme de uma empresa.
Disse-me para acompanhar o motorista, que ele levar-me-ia ao local da cerimónia.

Quando lá cheguei, o cliente estava à minha espera, perto da entrada da galeria de arte, onde seria o cocktail. Eu estava assustada, mas o cliente pôs-me totalmente à vontade.
Era um gajo alto, barba aparada, na casa dos 40 anos, com um aspecto razoavel, cabelo grisalho. Não era um homem bonito, mas também não era uma coisa de fugir. Era tolerável. Nariz comprido, e dentes demasiado grandes para a boca que tinha. Vinha de fato cinza claro, com um casaco por cima. Não parecia propriamente um homem rico.
Falou comigo como se nos conhecessemos há anos! achei a atitude sinistra, mas a verdade é que fiquei confortável.

No cocktail, foi tudo demasiado simples, De facto, só tive que estar ao lado dele e sorrir. Terei soltado meia dúzia de frases. Tivemos lá pouco mais de uma hora.
"Foi perfeito, correu muito bem, disse-me o cliente, já no carro". "Agora podemos ir celebrar. Fazemos amor?" Respondi-lhe que sim, mas que a minha exigencia era a utilização de preservativo.
"Não há problema,eu também prefiro usá-lo", respondeu ele.
Estacionou num conhecido parque subterraneo de Lisboa, puxou o meu banco para trás, pediu-me que tirasse a roupa interior, e com a maior tranquilidade, apalpou-me as mamas, brincou com elas, depois começou a mexer-me na cona, a tocar-me, para passado um bocado se despir e começar a "fazer-me". Lembro-me que não era propriamente um homem dotado. quase nem o senti. E não durou muito. Em 2 minutos estava despachado. Nem precisei de me mexer. Foi a 1ª vez que me fodi com alguém que nem conhecia, e que não me dizia nada. Obviamente não tive prazer, mas não me custou nadinha. Foi muito tranquilo.
Ele saiu de cima de mim, agradeceu.
Posto isso, foi levar-me a um hotel. Deviam ser umas 23.30. Tens aqui o voucher, o hotel está pago.
Pediu-me só para eu lhe devolver o colar e os brincos, ofereceu-me o vestido e as sandálias "ficas demasiado bonita com ele para eu to pedir de volta". E passou-me um cheque. 1000 euros.
Sorri, beijei-o na face, e saí do carro. Fui para o hotel, um hotel de 4 estrelas, ligeiramente afastado do centro da cidade.
Estava estupefacta por nem ter que passar a noite com ele!

"Foi mesmo fácil", pensei eu. Algumas horas de trabalho, 1000euros.
"Niguém me vai parar!"

Cheguei ao hotel, tomei um banho. No minuto a seguir, liguei ao meu agente, "arranja-me mais clientes, enche-me a agenda!".

E assim comecei uma nova carreira.
A única limitação que eu tinha era o curso, que queria acabar o mais rapidamente possível.

Ps: Foi o primeiro e último cheque que aceitei. O meu agente avisou-me que era perigosíssimo, e disse-me para só aceitar cash. E daí em diante sempre assim foi.

Mia

Agente

Muitos se interrogarão acerca do funcionamento deste mundo louco das acompanhantes de luxo.
Como é que contrato os serviços de uma escort?

Há muitas escorts com site na internet, e que revelam os contactos, para que os clientes possam falar directamente com elas.

No meu caso, tenho um agente. Não, não é um chulo. É um agente. Ele arranja-me os clientes, que são de topo, garante-me segurança absoluta, e eu pago-lhe uma avença mensal. A avença é fixa, e para terem uma ideia, não chega a 10% do valor que eu ganho por mês com a minha clientela.

A avença que pago ao meu agente ronda os 1200 euros por mês. Ele tem 14 agenciadas. Não sei se todas lhe pagam o mesmo, mas calculo que sim.
É bem pago, mas faz um trabalho extraordinário, eu acho o valor que pago, inteiramente justo.
Para além de agente, considero-o um super amigo, quase um irmão.


Ps: Naturalmente que hoje em dia tenho filtros para o meu agente. Por exemplo, não aceito clientes com mais de 50 anos, com mais de 90 kilos, etc.

Mia

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Poliglota

Sou fluente em 6 linguas diferentes:

- Português
- Inglês
- Alemão
- Espanhol
- Francês
- Holandês

E estou a tirar um curso de mandarim.

Mas todos os meus clientes me dizem que a minha melhor lingua, não é nenhuma destas ;)

Mia

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Quem sou

O meu percurso

Nasci na cidade do Porto no início da década de 80, e fiz o percurso normal de uma menina "bem" do Porto. Passei pelo Colégio do Rosário,e depois pelo liceu Garcia de Orta, até chegar à Universidade ( uma conhecida Universidade Privada na cidade do Porto). Frequentei um curso superior, que viria a terminar ao fim de 5 anos. (Sim, sou dra!!).
Foi aí, na faculdade, que me iniciei no mundo das "escorts".
Porquê? Simples. Porque desde cedo quis ser independente. Trabalhei em lojas de shopping, e em inumeros trabalhos temporários, até que aos 20 anos resolvi saír de casa.
O meu curso custava quase 500 euros por mês, e aquilo que eu ganhava por mês nos trabalhos que ia arranjando mal cobria isso.
 Para além dessas despesas, tinha ainda a renda da casa, e todos os custos inerentes à minha vida.

Numa altura de desespero, em que já devia 3 meses de renda à minha senhoria, uma amiga minha, ao ver a minha aflição, falou comigo, e perguntou-me o que é que eu estava disposta a fazer por dinheiro? eu respondi que quase tudo. Ela, perguntou-me imediatamente a seguir " e o que estás disposta a fazer por muito muito dinheiro?". E eu respondi, "tudo!"
Ela disse-me conhecia uma pessoa que me podia por no mercado das acompanhantes de luxo. Hesitei muito no inicio. Mas quando falei com o tal contacto, e ele me disse que eu tinha tudo para singrar nesse mundo, e que podia ganhar até cerca de 2500 euros por trabalho, e que os trabalhos nunca duravam mais de 2,3 dias. Depois de dias e dias a pensar, a chorar por ter que me "vender", resolvi experimentar. Esse dia foi há mais de 5 anos, e ainda estou nesse mundo. Porque gosto,e porque sou independente. Tenho tudo o que o gostava de ter. Materialmente sou uma pessoa realizada.

Para quem não sabe, acompanhante de luxo não é uma prostituta. A melhor definição para a profissão, vem do Brasil, "garota de programa".

Fundamentalmente, o trabalho de uma acompanhante de luxo é muito abrangente. É muito mais que sexo (embora normalmente também inclua sexo).
Jantares, Viagens, reuniões de familia, até reuniões de trabalho.
Por isso, a exigência neste mundo é gigante: para além dos dotes físicos, que são muito apertados ( altura, peso, textura da pele, peito, anca, pernas, cabelo, tudo é visto ao pormenor) é exigida cultura - de preferência uma licenciatura -, educação esmerada( que se traduz num saber estar), charme, etc

No fundo, as acompanhantes de luxo têm que ser as mulheres perfeitas: Bonitas, Inteligentes, Vistosas, Educadas, Cultas, Divertidas.
Temos de passar por namoradas ou mulheres de pessoas importantes, cuja imagem é o que mais interessa.

Depois, há a parte sexual. Da experiência que eu tenho, que já tem mais de 5 anos, só não há parte sexual por um motivo: se o cliente for homossexual. Contarei neste blog uma história a esse propósito.

Contarei muitas histórias acerca de muitos clientes, que vão desde a coisa mais normal à coisa mais estranha.

Entretanto, Resolvi arranjar um petit non, para assinar as minhas "crónicas" aqui no blog. Mia. Soa-me bem.

Miau!

Mia

domingo, 19 de dezembro de 2010

Sejam Bem Vindos

Crio hoje este blog para partilhar as minhas experiências enquanto acompanhante de luxo.
É uma ideia que já tinha há algum tempo, mas que só agora ponho em prática.
Não pretendo imitar ninguém, nem ganhar dinheiro ou notoriedade à custa deste blog.
São apenas desabafos, histórias que vos vou contar acerca da minha vida, que julgo serem interessantes, e que certamente não vos deixarão indiferentes.

A minha profissão não é propriamente bem vista, o que me obriga a ter que escondê-la no dia-a-dia.
As pessoas acham que sou uma profissional liberal com uma profissão digna e respeitável, mas desconhecem aquilo que verdadeiramente faço. E por isso é muito difícil poder desabafar com alguém ou contar o que quer que seja da minha vida a alguém. Esse é o maior problema da profissão que escolhi, o que me transformou numa pessoa isolada, no sentido de ter que viver com o meu segredo.

Mas em momento nenhum me arrependi, ou pensei desistir. Faço o que gosto, e com prazer.

É natural que com o decorrer do blog, a linguagem possa tornar-se demasiado gráfica ou explícita. Aos que possam ficar melindrados, peço desculpa, pois não pretendo ferir susceptibilidades.

Espero que gostem, e que sigam o meu blog, porque o escrevo com o intuito de o partilhar.

Beijo